quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Empresas de tecnologia e a reciclagem de computadores

Os dois principais fabricantes de computadores mundiais HP e Dell relatam seus planos de reciclagem de computadores com objetivos de melhora a cada ano e chegam até a desafiar seus concorrentes em buscas de resultados e planejamento idênticos, senão melhores. A natureza agradece esse tipo de competição.

Para saber mais clique nos links abaixo

HP recicla um bilhão de libras de lixo eletrônico até 2007
Dell antecipa programa de reciclagem e desafia rivais a fazerem o mesmo

sábado, 18 de agosto de 2007

Tratamento de lixo tecnológico – no Brasil e na União Européia

Introdução

Com receita total de R$ 63,2 bilhões, volume de exportação de US-$ 4,7 bilhões, força de trabalho de 121.000 em 2003 e crescimento esperado de 13% nos rendimentos para o ano de 2004, a concepção, produção e venda de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (EEE) no Brasil transformou-se em uma das mais importante indústrias exportadoras. Ao mesmo tempo, as práticas correntes de administração e o crescente padrão de vida no Brasil e em outros países industrializados, causaram um aumento proeminente do consumo de recursos. Como resultado, os limites ecológicos podem ser excedidos e os recursos explorados de forma não sustentável. Um melhor padrão de vida não pode ser alcançado através de um aumento proporcional no consumo dos recursos naturais, dado os limites ecológicos. O consumo de energia e recursos tem que diminuir para atingir e sustentar um padrão de vida satisfatório a todos. Elevar a produtividade destes recursos em suas respectivas aplicações, permitiria um melhor padrão de vida global com subseqüente queda no consumo de recursos naturais.

Para saber mais clique aqui. (arquivo em pdf)

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

O que fazer com o e-lixo?

Em um mundo que depende cada vez mais de eletrodomésticos e computadores, o lixo eletrônico, "e-lixo", tornou-se uma dor de cabeça da qual governos, empresas e ONGs querem se livrar.Todos sabem que o computador não é um produto leve. O que provavelmente muita gente desconheça é que um computador pesa o mesmo que um automóvel utilitário ou um rinoceronte: 1,8 tonelada.Surpreso? A Universidade das Nações Unidas (UNU) e o pesquisador alemão Ruediger Kuehr calcularam o peso em 2004 e chegaram a essa reveladora conclusão. No livro Computers and the Environment, Kuehr afirmou que a fabricação de um computador com tela plana de 17 polegadas consome, pelo menos, 240 quilos de combustíveis, 22 quilos de produtos químicos e 1,5 tonelada de água, totalizando 1,8 tonelada de produtos.Essa é apenas uma parte do problema. Há ainda a gestão das crescentes montanhas de lixo eletrônico. A Agência Européia do Meio Ambiente calcula que o volume de e-lixo esteja aumentando três vezes mais rapidamente do que as outras formas de lixo de uma cidade, a ponto de, dentro de pouco tempo, chegar a 40 milhões de toneladas - suficiente para encher uma fila de caminhões que percorreria a metade da circunferência terrestre.Para resolver o problema, a UNU, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA), universidades dos cinco continentes e empresas como Dell, Microsoft, Hewlett Packard (HP) e Philips juntaram-se à iniciativa Solucionar o Problema de E-Lixo (Step, na sigla em inglês).A Step pretende padronizar globalmente os processos de reciclagem para recuperar os componentes mais valiosos do lixo eletrônico, estender a vida dos produtos e harmonizar as legislações e políticas.Leis confusas e excessivas dificultam a reciclagemKlaus Hieronymi, gerente de meio ambiente da HP na Europa, disse que um dos maiores problemas para a reciclagem do e-lixo é a falta de uma legislação homogênea:- Cada país tem diferentes objetivos, medidas, mecanismos, inclusive dentro da União Européia, o que em poucos anos obrigará uma empresa como a HP a enfrentar quase uma centena de leis no mundo todo.Hieronymi calculou os custos administrativos para a HP - por conta da existência, na Europa, de quase 30 leis diferentes para tratar o e-lixo - em 1 milhão de euros por ano (R$ 2,75 milhões). É por isso que as empresas do setor estão a favor da homogeneização das leis e regulamentos.Outro problema é a utilização de metais preciosos, como ouro e prata, na produção de eletrodomésticos e computadores. Mas a crescente demanda de outros metais está transformando esses equipamentos em objetos de alto valor. É o caso do índio, um derivado do zinco utilizado em mais de 1 bilhão de produtos todos os anos, de telas planas a telefones celulares.Nos últimos cinco anos, os preços deste metal foram sextuplicados, tornando-o, atualmente, mais caro do que a prata. Mesmo assim, a reciclagem só é realizada em algumas fábricas na Bélgica, nos Estados Unidos e no Japão, país que supre quase a metade de sua necessidade de índio por meio da reciclagem.O mesmo fenômeno ocorre com o bismuto, utilizado em soldagem para evitar o uso de chumbo, cujos preços duplicaram desde 2005, e com o rutênio, utilizado em resistências e discos rígidos, cujo valor foi multiplicado por sete desde o início de 2006.A conquista do objetivo final da Step é um processo complexo que requer medidas legislativas, educação dos consumidores e mudanças na indústria. Kuehr aponta, por exemplo, que os fabricantes serão obrigados a "reprojetar seus produtos para que possam ser mais facilmente reciclados e para que os materiais valiosos e tóxicos possam ser melhor recuperados".

Fonte:
Reciclaveis.com.br

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

SGS DIRETIVAS EUROPÉIAS WEEE / RoHS

Em 27 de Janeiro de 2003, o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu aprovaram duas diretivas:

A WEEE: Waste Electrical and Electronic Equipment e a
RoHS:Restriction on the use of Hazardous Substances;

Com o objetivo de manter sob controle a disposição e a reciclagem do lixo eletrônico criado na Europa e por parceiros que queiram exportar para o mercado europeu.

Para saber mais
clique aqui. (arquivo em pdf)

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Robótica Livre e a Pedagogia da Sucata

Há alguns dias atras, mais precisamente no post do dia 21 de Junho de 2007 falei sobre a Robótica Livre na III SESOL em Fortaleza a qual se referia sobre o Prof Danilo e seu projeto de utilização de sucata para trabalhos de robotica.

Segue abaixo uma entrevista dada pelo prof explicando o funcionamento desse projeto



Parte 1



Parte 2